simulacrum chamber orchestra

Duo Hellqvist & Amaral - NMH - Oslo - 2013

Simulacrum Chamber Orchestra (SChO) is an audiovisual live performance that tries to establish a dialogue with chamber music in the field of “media art”. It brings to the stage an environment with acoustic instruments, computers, video cameras and screens.

Simulacrum Chamber Orchestra (SChO) é uma performance audiovisual ao vivo que tenta estabelecer um diálogo com a música de câmara no campo da “media art”. Ele traz para o palco um ambiente com instrumentos acústicos, computadores, câmeras de vídeo e telas.

O objetivo deste trabalho é criar um ambiente interativo onde os gestos dos músicos serão gravados (por câmeras e microfones) enquanto eles tocam uma música de seu repertório. Cada computador armazenará uma estrutura que será coordenada e organizada por uma meta-pontuação, criando uma situação especial de interação entre a música e os músicos simulacro. A proposta é remediar uma Orquestra de Câmara de Simulacro (SChO), constituída por músicos simulacros.

Simulacrum Chamber Orchestra (SChO)

O SChO é um grupo híbrido formado por músicos e músicos simulacros. Cada simulacro armazena informações do respectivo músico coordenaando e organizando por uma "partitura-algoritmica" que é gerenciada por um computador mestre. A partir da partitura-algoritmica o sistema propõe interações entre os músicos e simulacros. Abaixo SChO é apresentado como um grupo que consiste em dois músicos e dois simulacros. Em princípio não há número fixo de músicos e simulacros. Isso significa que este projeto é ao mesmo tempo uma proposta aberta no sentido de incluir diferentes tipos de formatos de grupo. Como realizado em outros trabalhos como Simulacrum Piano, Simulacrum Coral. 

Simulacrum Musician

Cada músico está no palco acompanhado de seu respectivo simulacro. O músico de simulacro é constituido de um sistema audiovisual, que reúne  computador, câmera, TV, microfone, placa de som e alto-falante. Este sistema audiovisual exibe a imagem e o som do músico gravado ao vivo e remixado durante a apresentação. 

Context

De certa forma, este projeto é uma continuação das experiências que desenvolvi com Alexandre Fenerich no duo N-1 onde apropriavamos de diferentes tecnologias e trazendo ao palco vídeo e som na performance ao vivo musical. Neste trabalho se busca estender o conceito de meta-instrumento - explorado na peça-instalação Lanhouse Concerto e Laptop Coral - que considera o computador e a LAN (Local Area Network) como instrumento multimídia. 

Meta-instrument 

Usando dispositivos integrados em computadores (laptops), por exemplo: placa de som (microfone e alto-falantes), placa de vídeo (câmera e telas), comunicação de rede (conexão wifi) - a orquestra de câmara de simulacro explora o computador como um músico simulacro.

Como meta-instrumento, que combina diferentes mídias e softwares, o computador poderia ser pensado como uma plataforma capaz de realizar operações complexas diversas como se fosse um estúdio audiovisual em tempo real (gravação, transmissão, amostragem, corte, edição, sintetização de som e imagem, mostrando pontuações como bem como gerá-los).

Nesses aspectos, os computadores mesclam operações e funções (meta-mídia): gravação, transmissão, recepção e reprodução de material audiovisual, pensando no computador como uma espécie de simulacro performativo que funde a noção de instrumento e instrumentista em um ambiente interativo híbrido  que lida com aspectos humanos e não humanos.

Duo violin piano 

O SChO foi criado após o convite do Duo Hellvist & Amaral (violino e piano). Para a realização do trabalho solicitei ao duo que escolhesse uma peça de seu repertório que pudesse ser interessante gestualment (visualmente e sonoramente). Com base nessas recomendações, as instrumentistas optaram por trabalhar a obra Dikhthas (1979) de Iannis Xenakis.

Processo e partes

Neste trabalho SChO usa propriedades incluídas na partitura de Dikhthas como uma fonte de elementos para re-coordenar elementos dentro da estrutura principal da peça. Nesse sentido a performance foi  dividida em cinco partes/processos.

1) O duo  toca a peça de Xenakis, em paralelo, os computadores gravam a performance (imagem e som).

2) ao terminar a peça,  os músicos simulacro começam a fazer um remix audiovisual com o material gravado com os músicos deixando o palco.

3) Os simulacros reproduzem amostras exibindo apenas imagens nas telas. A dupla retorna ao palco para tocar imitando (soando) os gestos exibidos nas telas.

4) Os simulacros tocam imagem ou som, como a 3ª parte os músicos devem seguir a própria imagem exibida nas telas, outras vezes ficam em silêncio quando o simulacro faz sons (via alto-falantes) e telas coloridas.

5) Os simulacros tocam (som e imagem) os músicos seguem os gestos (som e imagem) deles.

A duração do simulacro (2ª a 5ª partes) é a mesma da peça Dikhthas (1ª parte).

Partitura e Metapartitura

A partitura de Xenakis adquire nesta peça uma dupla função: primeiro, como uma instrução primária para os músicos; segundo,  como uma meta-partitura para os simulacros. A metapartitura re-articula o fluxo das informações e dados de áudio e vídeo capturados pelas máquinas. Por exemplo, os instantes e a duração que Piano Simulcaro e Violino Simulacro executam seguem a sequência e o tempo proporcioal aos instrumentos correspondentemente na partitura da peça Dikhthas. Além disso, outros parâmetros são extraídos da partitura de Xenakis os quais servem para controlar a maneira como as amostras são tocadas durante a performance. Ou seja, as razões temporais que existem na partitura de Xenakis se tornam referências para controlar as proporções da sintese granular de cada amostra dos simulacros, bem como a proporção entre eles. Por esse sentido, a partitura de Xenakis acabou servindo como meta-partitura ou partitura referência para criar outra partitura-script que coordenou a maneira como os simulacros tocavam.

Além da função de partitura que fornece instruções aos músicos para a performance ao vivo, a partitura Dikhthas foi usada para articular os dados de som e imagem armazenados na memória dos computadores. Este aspecto nos faz considerar a partitura Dikhthas como meta-partitura (fonte de metadados) usada para reordenar as amostras armazenadas nas memórias (simulacro de computador), assim como é uma referência para coordenar os dados. fluxo dos dados.

Ambientes híbrido / grupo aberto

Seguindo o conceito de meta-instrumento os simulacros fundem funções como  gravação, execução, processos generativos, partitura aleatória, armazenamento de dados, processo distribuído de fluxo de dados coordenados via rede, etc. Durante a 3ª parte o simulacro funciona ao mesmo tempo como partitura visual para os músicos, quando os músicos imitam os seus próprios gestos exibidos nas telas. Outras vezes é como um músico coordenando amostras da performance anterior (4-5ª parte). As possibilidades de combinações de funções fornecem um tipo de ambiente com diferentes camadas de interações que guiam a performance. O objetivo do SChO é lidar com algumas estratégias que mesclam e remediam a própria performance e performer no palco.

Em todo caso, boa parte do trabalho de composição deste trabalho foi de  criar um sistema estável (Simulacrum Orchestra) capaz de estabelecer um setup versátil à performance mista no palco. Neste sentido o objetivo da peça foi bastante proveitoso por oferecer um ambiente híbrido envolvendo tanto atores humanos e não humanos. Além disso a ideia de criar campos abertos para transposição de diferentes formatos de orquestra de câmara se mostrou tecnicamente muito bem sucedido.

dikhthas / duas entidades  / simulacrum

"Esta peça é como uma personagem composta de duas naturezas, é como uma entidade dual (dikhthas). Na verdade, essas duas naturezas se contradizem, embora às vezes se fundem em ritmo e harmonia. Esse confronto é realizado em um fluxo dinâmico variável que explora os traços específicos dos dois instrumentos. " (Xenakis 1979 - Partitura de Dikhthas)

A peça explora o simulacro como uma personagem outra do músico, um duplo que parece se contradizer, mas que se fundem de alguma forma. Ou seja o simulacro é um duplo dos músicos, assim como uma extensão deles.